6 perguntas para… Carol Navarro

1026051_669895476359088_136681523_o

Carolina Navarro, 28 anos, personalidade e muito talento! Ex-baixista da Lipstick, ela atualmente é integrante da banda paulista Supercombo, que está bombando nas rádios de todo o Brasil. 
Nessa entrevista, ela fala sobre a sua carreira, gostos, inspirações e muito mais.

Confira:

1. Quando e como começou a sua relação com a música?
Comecei a tocar mesmo com 17 anos.Antes disso, só ficava brincando de cantar na banda dos amigos. Comecei num violão Di Giorgio que meu pai tinha em casa, depois fui estudar  contrabaixo numa escola de música de Santo André (onde eu morava). Minha primeira banda foi a Lipstick, onde toquei por uns 10 anos!

48001_156128871069087_8199077_n

Uma das primeiras formações da banda Lipstick -da esq. pra dir.:
Mi (teclado), Dedê (guitarra e voz), Carol (baixo e voz), Tila (bateria) e Mel (voz).

 

2. Quais são suas maiores influências no mundo da música?
Eu gosto de umas coisas muito diferentes umas das outras… A essência é bem grunge, anos 90, mas depois que você começa a tocar e a ouvir/estudar outras coisas, você abre um leque musical infinito. Mas curto No Doubt, Pearl Jam, Faith No More, Garbage, Fiona Apple, Erikah Badu, Ella Fitzgerald, Charles Mingus, Etta James, Nina Simone, Foo Fighters, Radiohead, Lenine, Marisa Monte, Jorge Ben, Tim Maia, Elis, Fela Kuti e Los Hermanos. 

 

1235459_722391494442819_1219622113_n

 

3. Você tocou quase 10 anos em uma banda composta só por mulheres. Como foi essa experiência na Lipstick? É muito diferente da relação que você tem agora, em uma banda onde você é a única mulher?
O estilo musical era diferente, os papos são diferentes, o jeito que os meninos me tratam é diferente… mas, no final das contas, é tudo igual (risos). Show, estrada, convivência. É complicado pensar com 5 mentes, mas flui muito bem quando todos estão abertos pro mesmo foco… Só é chato quando eu sou a única a me maquiar e não tenho com quem compartilhar esse momento.

 

4. Quando você entrou para a Supercombo e como você conheceu os caras da banda?
Entrei pra Supercombo no final de 2012. Conheci o Léo (voz e guitarra da Supercombo) em um show de rádio. Ele me entregou um cd da 2ois, e quando coloquei no rádio foi amor a primeira ouvida. 

Depois daí, não paramos de manter contato… até que um dia o convite chegou!

1795267_791380777543890_1303172124_oA banda Supercombo

 

5. Em 2012 você deu uma entrevista pra Muppy, no Youtube, falando um pouco sobre seus projetos paralelos à sua banda na época – Lipstick. Agora com a Supercombo seus projetos paralelos continuam? Quais outros surgiram e quais acabaram?
Na verdade eu não os nomeio como “projeto paralelo”. Tudo segue junto. Às vezes você tem que priorizar certos trabalhos, e outras vezes não. Eu continuo tocando com o Marco Nalesso e A Fundação. Estamos em processo criativo pra lançar o próximo disco esse ano. Quem quiser acompanhar, é só acessar o nosso Facebook. Estou envolvida num projeto meio triprock… estou cantando e fazendo uns efeitos. Mas ainda sem previsão de lançamento. Nessa entrevista eu tinha comentado sobre minha marca de bonecos. Hoje em dia não estou mais com a marca. 

Mas quero, mais pra frente, dar continuidade pra marca, outro nome, outros produtos… vamos ver…quem sabe? (risos)

334713_543102559038381_923956568_o

              Marco Nalesso e A Fundação

 

 

6. Quais são seus planos para esse ano? E com a Supercombo, quais os planos?
Continuar focada na música. Buscar esse incessante meio de ganhar a vida, porque vamos combinar: a galera acha que trabalhar com música é só diversão. Queria até aproveitar o espaço aqui pra criticar os bares e espaços de eventos locais. Já que o nosso “Brasilzão” não ajuda os próprios artistas, os donos de bares e casas locais poderiam ser mais bem estruturados e oferecer o mínimo de qualidade pros músicos que vão tocar no seu estabelecimento.

Ninguém mendiga nada! Todo mundo se esforça pra comprar seu instrumento, pra criar sua música, pra se locomover, pra estar ali! Respeito e um espaço no mínimo bem estruturado é o que vira!

Com a Supercombo, estamos trabalhando o Amianto.
É incrivel como a cada show, a galera cresce e canta o disco inteiro. Estamos muito felizes com o que esta acontecendo… muitos planos, muito trabalho. O próximo passo será um clipe novo, mas ainda não posso divulgar de qual música será! 

 

859954_605456106136359_1576640376_o

 

 

 

> Acompanhe a Marco Nalesso e a A Fundação através do Facebook.
> Acompanhe a banda Supercombo através do site oficial e também no Facebook. 


Curtiu essa entrevista? Deixe seu comentário abaixo.

 

Aventureira no mundo do cinema e da música. Fã de boas conversas e adepta da vida boêmia. Feminista e escorpiana. Quer trocar ideia? Follow me @Moniiquee