CM+ | simples e completo //

Coluna Clichê

Meu Passado me Condena – O Filme

meupassadomecondena_1-650x400

A COLUNISTA ASSISTIU AO FILME A CONVITE DA DISTRIBUIDORA.

Derivado da série de TV de mesmo nome, ‘Meu Passado me Condena – O Filme’ conta a história do casal Fábio (Fábio Porchat) e Miá (Miá Mello), dois jovens que se casam um mês depois de terem se conhecido.

Eles vão para a Europa a bordo de um cruzeiro.
Em sua viagem romântica, que tinha tudo para ser perfeita e inesquecível, o casal precisa lidar com as diferenças e com o ciúme que sentem um do outro, pois seus ex namorados Beto (Alejandro Claveaux) e Laura (Juliana Didone), que são casados, também estão no navio.

As confusões dos ex casais vão ficar ainda piores com a chegada de Cabeça (Rafael Queiroga, ex comediante da ‘MTV’), um amigo de infância de Fábio.
No navio para infernizar a vida do casal (e faturar em cima da infelicidade alheia) também estão os engraçados Wilson (Marcelo Valle) e Suzana (Inez Viana), que trabalham no cruzeiro.

A trama é bacana, romântica e divertida.
Fábio Porchat, como sempre, está incrível. Sua parceria com Queiroga rende boas piadas.
Miá e Fábio convencem como casal problemático e apaixonado.
A diretora Julia Rezende fez um bom trabalho, dirigindo uma trama leve e com poucos personagens.
‘Meu Passado me Condena – O Filme’ foi o primeiro filme brasileiro rodado inteiramente dentro de um cruzeiro real.
O navio partiu do Rio de Janeiro e esteve também em Ilhéus, Salvador, Recife, Maceió, Fortaleza, Marrocos e Itália.
Cotação: Bom

Ideal para: pessoas que querem se divertir; fãs de Fábio Porchat


*Leia mais resenhas clicando aqui e aqui.

image É o Fim!

O mundo está acabando e um grupo de atores de cinema precisa sobreviver

Kick Ass 2

Kick Ass 2

 A COLUNISTA ASSISTIU AO FILME A CONVITE DA DISTRIBUIDORA.

Mais ágil. Mais forte. Mais violento.
O super herói mais bizarro dos últimos tempos está de volta – melhor do que nunca!

Na segunda parte das aventuras de David Lizewski (Aaron Taylor-Johnson), seus atos insanos do passado inspiraram diversas pessoas a saírem nas ruas fantasiadas e usando codinomes para combater o crime.
Porém, após presenciar diversas mortes, ele abandonou a fantasia de Kick Ass e está tentando se formar no colégio e levar uma vida normal.

A adolescente Mindy (Chloë Moretz, maravilhosa) segue sua rotina de treino e combate o crime escondida de seu tutor Marcus (Morris Chestnut). David, disposto a voltar a combater o crime, convoca Mindy para ser sua treinadora e assim ganhar força e habilidade.
Marcus descobre que Mindy está sendo desobediente e a coloca de castigo – e isso inclui participar de uma festa do pijama na casa de uma patricinha da escola.

Enquanto tenta convencer Mindy a voltar ao combate, David conhece outro super herói, que logo se torna seu amigo: o publicitário Dr. Gravidade (Donald Faison, da série ‘Scrubs’).
Dr. Gravidade apresenta David a seu grupo de amigos super heróis: Homem Inseto (Robert Emms), Night Bitch (Lindy Booth) e Battle Guy (Clark Duke), que são chefiados pelo maluco Coronel Estrelas e Listras (Jim Carrey).

Porém, nem tudo é felicidade na vida dos combatentes: o malvadinho Chris D’Amico (Christopher Mintz-Plasse) está disposto a usar todo o dinheiro de seu pai, falecido no primeiro filme, para acabar com a vida de Kick Ass e seu grupo.
Com a ajuda de seu empregado (e única família que lhe restou) Javier (John Leguizamo), ele convoca uma gangue da pesada: a lutadora Mother Russia (Olga Kurkulina), Black Death (Daniel Kaluuya), The Tumor (Andy Nyman) e Genghis Carnage (Tom Wu).

Chris D’Amico agora atende por um nome ainda mais bizarro do que no primeiro filme: The Motherfucker.
As cenas de luta são sensacionais.
Os atores estão bem preparados e o trio principal (Chloë, Aaron e Christopher) dá um show. São jovens e atuam bem.
Os diálogos, bem construídos, são obra do roteirista Jeff Wadlow (‘Cry Wolf’).
Momentos engraçados são intercalados com cenas de emoção, principalmente quando Mindy se lembra de seu pai.

Se você é do tipo que se apega a personagens, cuidado: nesse filme, qualquer um pode morrer a qualquer momento.

 

Cotação: Muito bom

Ideal para: fãs do primeiro filme, fãs da HQ, pessoas que querem se divertir

 

 

image Finalmente 18

Três amigos e muitas aventuras. Confira nosso texto

image Shame

NÃO assista esse filme se você for menor de 18 anos.

Star Trek – Além da Escuridão

star_trek_into_darkness-HD

 

Junte na mesma panela uma franquia poderosa, efeitos especiais de última geração e um vilão inglês meticuloso e cínico.
No novo ‘Star Trek’, que teve orçamento de 185 000 000 dólares, é possível ver que a junção desses elementos resultou num filme incrível.

Na trama, acompanhamos outra jornada da nave U.S.S. Enterprise.
Seus tripulantes, o capitão James T. Kirk (Chris Pine), o vulcano Spock (Zachary Quinto), Uhura (Zoe Saldaña), Bones (Karl Urban), Sulu (John Cho) e Chekov (Anton Yelchin) são enviados a uma nova missão: em um planeta distante, Spock é enviado para dentro de um vulcão, onde deve deixar um dispositivo que irá congelar a lava incandescente.
Porém, algo dá errado e a nave acaba sendo vista por inimigos.

Furioso com a irresponsabilidade de Kirk, o capitão Pike (Bruce Greenwood) resolve mandá-lo de volta para a Academia.
Tudo muda quando o misterioso John Harrison (Benedict Cumberbatch), um renegado da Frota Estelar, revolve fazer um ataque em Londres, matando 42 pessoas e deixando muitos inocentes feridos.

Agora, para salvar a Federação, Kirk e seu grupo devem deter o terrorista. Explosões, correria e conflitos internos fazem parte do filme, dirigido pelo aclamado J. J. Abrams (‘Super 8’).
O 3D não é muito bom, mas não atrapalha na leitura das legendas.
Destaque para Benedict Cumberbatch, que está odioso na pele de Harrison; e para Scotty (Simon Pegg), sempre surgindo nas horas mais complicadas.

Uma surpreendente presença de Leonard Nimoy faz a trama ficar ainda melhor.
‘Além da Escuridão’ é um blockbuster interessante, bem feito e que agrada até a quem não é fã da série.
Cotação: Muito bom

 

Se Beber, Não Case 3

se-beber-nao-case-3-600x438
No terceiro (e último) filme do Bando de Lobos, o maluco Alan (Zach Galifianakis) está deprimido com a morte do pai, Sid, que teve um ataque cardíaco após discutir com ele.

Seu cunhado Doug (Justin Bartha), preocupado, se reúne aos amigos Phil (Bradley Cooper) e Stu (Ed Helms).
Junto com a mãe e a irmã de Alan, eles resolvem fazer uma intervenção.
Alan será enviado para uma clínica chamada New Horizons, onde poderá relaxar, se cuidar, virar um novo homem.

Porém, no caminho, o carro é interceptado pelos capangas do perigoso traficante Marshall (John Goodman), que quer saber onde está Sr. Chow (Ken Jeong), que roubou US$ 21 milhões seus.
Doug é sequestrado e Marshall dá aos amigos uma missão: encontrar Chow e recuperar o dinheiro.
Se tudo não correr bem… Doug vai morrer.

Desesperados, os amigos descobrem que Alan estava se comunicando com Chow desde que o golpista estava na prisão.
Loucuras, mortes inesperadas, uma viagem até Tijuana, no México e uma parada em Las Vegas, além das participações de Heather Graham, que retorna como Jade, fazem parte da trama.

Ken Jeong, que recebeu 5 milhões de dólares para fazer esse filme, rouba todas as cenas nas quais aparece.
Destaque também para Melissa McCarthy, que intepreta Cassie.
O filme é divertido e tem muitas cenas de ação, porém, não tem nenhuma ‘ressaca’ como o título original (‘The Hangover 3’) sugere.
O conjunto da obra, um blockbuster norte americano, agrada a quem quer se distrair ou é fã da franquia. E só.
A cena final, após o início dos créditos, é bacana. Vale a pena esperar para assistir.

Cotação: Regular

 

Reino Escondido

ReinoEscondido-600x342

 A COLUNISTA ASSISTIU AO FILME A CONVITE DA DISTRIBUIDORA.

A clássica trama do bem contra o mal é reinventada nessa animação da Blue Sky Studios.
O filme conta a história da valente Mary Katherine (mais conhecida como M.K.) e de seu pai, um biólogo considerado maluco por acreditar que pequenas criaturas vivem na floresta que cerca a casa da família.

Após instalar diversas câmeras em árvores na floresta e de mapear cuidadosamente os movimentos de diversos insetos, o Professor Bomba descobre que suas teorias estavam certas.
A jovem M.K., entediada, passa o dia brincando com Ozzy, o cão da família. Sua mãe morreu e ela se mudou para a casa do pai, que, segundo ela, fica ‘no meio do nada’.
Um dia, após uma fuga inesperada de Ozzy, ela se perde na floresta e é magicamente transportada para o mundo dos Homens-Folha.

Nesse mundo minúsculo, ela conhece Nod, um rapaz rebelde que está inconformado com a morte do pai que não quer ser um Homem Folha; Ronin, responsável por cuidar de Nod e líder dos Homens-Folha; Nim Galuu, o ancião do grupo; Rainha Tara, que tem uma importante missão na história e os engraçados Mub e Grub, uma lesma e um caracol que deixam todos loucos.
A floresta está morrendo por causa do malvado Madrake, que quer destruir a natureza e fazer com que todo o planeta fique sujo e desmatado.
Assim, M.K. precisa ajudar seus novos amigos a deter Mandrake e proteger o Botão, uma flor escolhida pela Rainha Tara que pode salvar a todos.

A trama é boa e divertida. As cenas de ação são excelentes e os efeitos especiais também.
A relação entre pai e filha e o cuidado com a natureza são bons panos de fundo, que funcionam e envolvem o espectador.

Na versão original, Amanda Seyfried (‘Os Miseráveis’) dubla M.K.; Josh Hutcherson (‘Jogos Vorazes’) é Nod; o cantor Steven Tyler é o ancião Nim Galuu; Colin Farrell (‘Ondine’) dublou Ronin; Christoph Waltz (‘Django Livre’) dublou Mandrake e a cantora Beyoncé Knowles foi a Rainha Tara.
O filme é baseado no livro infantil de William Joyce (que também atuou como roteirista) e foi dirigido pelo experiente Chris Wedge (‘A Era do Gelo’ 1, 2, 3 e 4 e ‘Robôs’).
Cotação: Muito bom

Ideal para: pessoas que querem se divertir; pessoas que gostam de animações; pais com filhos de até 10 anos de idade

 

Os Croods

croods

A colunista assistiu o filme a convite da distribuidora.

Chris Sanders acertou de novo.
O diretor dos mega sucessos ‘Como Treinar seu Dragão’ e Lilo e Stitch’ fez de ‘Os Croods’, novo filme da DreamWorks, uma obra prima da animação.
Concebido primeiramente como um filme em stop motion com personagens de massinha, ‘Os Croods’ é um filme sobre família e união.

A família pré-histórica Crood é comandada pelo patriarca Grug (voz original de Nicolas Cage).
Na caverna, junto com ele, vivem sua esposa Ugga (Catherine Keener), seus filhos Eep (Emma Stone), Thunk (Clark Duke) e Sandy (Randy Thom) e a mãe de Ugga, Vó (Cloria Leachman).
O lema de Grug é ‘não tente nada novo’.

Eles caçam, trabalham em equipe e enfrentam os perigos do ‘lado de fora’ (como é chamado o local que não é a caverna) para conseguirem sobreviver.
Tudo parece bem, mas a adolescente Eep está cansada dessa vida pacata.
Ela gosta de ver o sol e de explorar lugares que não conhece. Ela quer viver.

Uma noite, Eep sai da caverna escondida para seguir uma luz.
Após chegar no ponto mais alto dos rochedos, ela dá de cara com um tronco pegando fogo, e fica encantada com a cena.
Eis que surge o esperto Guy (voz de Ryan Reynolds, de ‘Lanterna Verde’), um forasteiro que se veste com pele de javali e carrega um estranho animal chamado Braço, que serve como cinto para segurar suas calças e também como companheiro de viagem. Braço é responsável por vários momentos engraçados do filme.

Uma explosão acontece e a família Crood se vê diante de um mundo novo, nunca antes visto.
É nesse mundo novo, colorido, com animais diferentes e ainda mais perigos que a família precisa esquecer as diferenças e se unir, para conseguirem sobreviver e para isso contam com a ajuda de Guy, que apresenta a eles coisas interessantes como sapatos, guarda chuvas, armadilhas e piadas.
A família se apega ao novato, para desespero de Grug.

‘Os Croods’ não é somente para o público infantil, por se tratar de uma animação.
É para a família toda, pois conta com ensinamentos que nunca podem ser esquecidos, como o amor e a lealdade.
Destaque para a balada fofa ‘Shine your Way’, da banda Owl City com a cantora Yuna.

Cotação: Muito bom