Heróis da CW se juntam contra o assédio sexual

Os super-heróis das séries da DC Comics se uniram contra o assédio sexual, num crossover que a rede CW não precisou divulgar. Além das manifestações de Melissa Benoist, estrela de “Supergirl”, Emily Bett Rickards, que vive Felicity em “Arrow”, e o próprio Stephen Amell, os protagonistas das duas outras séries cocriadas e produzidas por Andrew Kreisberg também foram às redes sociais.

Caity Lotz, que lidera o elenco de “Legends of Tomorrow” no papel de Sara Lance/Canário Branco, se juntou à luta no Twitter. “Aos bravos homens e mulheres que estão se apresentando para condenar seus abusadores… Eu acrescento minha voz ao coro de apoio”, escreveu.

E Grant Gustin, que estrela “The Flash”,publicou o mesmo texto no Facebook e no Instagram, em que lamenta a situação. “Ouvir que diferentes homens, especialmente na indústria em que trabalho, tratam as mulheres como se fossem insignificantes, de forma abusiva, tanto fisicamente quanto emocionalmente, já se tornou uma situação diária. Isso não está certo. Isso não pode se tornar nosso novo normal”.

Ele também se diz disposto a entrar na luta. “Quero me tornar um homem melhor, um aliado melhor”, comenta. “E especialmente quero que todas as mulheres da minha vida saibam que eu estou ouvindo, que eu fico ao seu lado e as apoio. Estou impressionado não só com todas as mulheres que falaram nestas últimas semanas, mas com todas que um dia já fizeram isso”

Como os demais, Lotz e Gustin não mencionam Kreisberg em nenhum momento, mas as manifestações dos astros televisivos da DC Comics acontecem poucos dias após o produtor ser suspenso pela Warner Bros. Television de suas funções nas quatro séries de super-heróis da rede CW, após denúncias de má conduta nos sets. O produtor foi acusado por 19 pessoas, que relataram casos de toques inapropriados, pedidos de massagens, comentários de teor sexual sobre a aparência de mulheres, além de beijos sem permissão.

A declaração mais forte foi a de Melissa Benoist, a primeira a se manifestar. Num longo comunicado, ela afirmou que encabeça uma série que representa “igualdade, feminismo, empoderamento e a luta pelo que é certo”, mas que, “infelizmente, a série e a minha carreira fazem parte de uma indústria que nem sempre reflete esses sentimentos”. 

Já a intérprete de Felicity Smoak em “Arrow” criticou os homens que cometeram assédio, aqueles que viram os olhos para este tipo de comportamento e os que falam em “sexismo às avessas”, dizendo que eles são “fracos e cúmplices”. Ao mesmo tempo, ela elogiou as mulheres que vieram a público denunciar os muitos casos em Hollywood e as mulheres que as apoiaram.

Stephen Amell foi o único a postar um vídeo, em que expressou solidariedade a seus colegas de elenco e equipe, que teriam sido assediados. Ele também afirmou apoiar as declarações feitas pelas colegas nas redes sociais, e revelou ter tido uma reunião com o elenco e a equipe de “Arrow”, em que se colocou à disposição para representar qualquer integrante da série em reuniões com a Warner sobre problemas no set de gravações. “Se você não é parte ativa da solução, então você é parte do problema”, declarou o astro.

Editora-chefe do site e bacharel em Estudos de Mídia pela UFF, trabalha com redes sociais e produz conteúdo para web desde 2012.
Curiosa e apaixonada por cinema, escreve aqui em sua ”Coluna Clichê” sobre os filmes que assiste no cinema e na TV.

  • Image

Leave a comment