”Mulan” não será um musical, afirma diretora

Ao contrário de “A Bela e a Fera”, a versão com atores de “Mulan” não deve ter sequências musicais. Foi a própria diretora, Niki Caro, quem deu a notícia. “Pelo que entendo, não temos canções até agora, para horror dos meus filhos”, comentou, em entrevista ao site Moviefone.

Caro também compartilhou sua visão para o filme. “É um grande épico feminino das artes marciais” disse. “Será extremamente muscular, emocionante, divertido e comovente.”

A cineasta neozelandesa, que chamou atenção em 2002 à frente de uma história com tom de fábula e heroína adolescente, “Encantadora de Baleias”, será a primeira mulher a dirigir uma versão “live action” do estúdio, após “Alice no País das Maravilhas” (2012), “Malévola” (2014), “Cinderela” (2015), “Mogli” (2016) e “A Bela e a Fera” (2017) terem sido comandadas por homens.

A fábula de “Mulan” conta a história de uma guerreira chinesa que resolve se fingir de homem para ir à guerra no lugar do pai, um senhor de idade doente que provavelmente morreria em batalha, mas que precisa ir por ser o único homem da família. A versão animada dos anos 1990 chamou muita atenção por seu pioneirismo, a mostrar a primeira Princesa da Disney realmente independente, que dispensava ajuda do Príncipe Encantado para vencer seus desafios.

Editora-chefe do site e bacharel em Estudos de Mídia pela UFF, trabalha com redes sociais e produz conteúdo para web desde 2012. Curiosa e apaixonada por cinema, escreve aqui em sua ''Coluna Clichê'' sobre os filmes que assiste no cinema e na TV.

  • Image