Thor: Ragnarok

”Thor: Ragnarok” é o típico filme que teria tudo para dar certo: o protagonista bombado vivendo um herói conhecido, distribuidora forte por trás, um roteiro repleto de aventuras, um orçamento gigantesco e muitos efeitos especiais. Porém, nada disso salva o filme.

Na trama, Thor (Chris Hemsworth) está longe de casa e quando retorna a Asgard tem uma infeliz surpresa: seu meio irmão Loki (Tom Hiddleston, fantástico, como sempre) está no trono, no lugar de seu pai, enganando o povo. Após uma briga os dois descobrem que Hela (Cate Blanchett), a deusa da morte, quer destruir Asgard e tudo que Odin construiu. O que já estava ruim fica ainda pior quando Thor e Loki são confrontados com uma informação essencial que foi escondida por muitos anos: Hela, na verdade, também é irmã deles.

Os dois irmãos vão parar num planeta desconhecido e caem nas mãos do afetado Grandmaster (Jeff Goldblum), que sequestra homens para que sejam seus ”lutadores particulares”. Thor rapidamente arma um plano para tentar fugir do lugar, mas o Grandmaster faz com ele enfrente um velho conhecido verde, gigantesco e muito irritado – sim, Hulk (Mark Ruffalo) também está sendo feito prisioneiro no local.

O filme tem roteiro confuso – uma hora a vilã é Hela, em dados momentos, Hulk e depois Loki, como um tipo de alívio cômico que não funciona – e Thor, de repente, vira um piadista nato, talvez numa tentativa de deixar o roteiro mais leve e num estilo ”Guardiões da Galáxia”, que fez muito sucesso. O personagem, sério nos primeiros filmes da Marvel, muda de personalidade de água para o vinho.
A vilãzona de Cate Blanchett é risível, com um figurino péssimo, cheia de caras e bocas e que não coloca medo em ninguém. Seu grande e incrível objetivo é destruir Asgard – ah, mas cê jura?

O filme tem seus méritos, como os incríveis efeitos especiais, que melhoram a cada filme de super herói lançado nos cinemas. Assim como em ”Mulher Maravilha” e ”Guardiões da Galáxia 2”, o longa tem ótimas sequências de luta e cores, muitas cores. Para o espectador mais desatento, ”Thor: Ragnarok” vai ser divertido e um ótimo passatempo para o fim de semana. Para os fãs da franquia da Marvel, vai ser apenas esquecível. O filme teve direção de Taika Waititi.

_

Cotação: Regular

Editora-chefe do site e bacharel em Estudos de Mídia pela UFF, trabalha com redes sociais e produz conteúdo para web desde 2012. Curiosa e apaixonada por cinema, escreve aqui em sua ''Coluna Clichê'' sobre os filmes que assiste no cinema e na TV.

  • Image