”Como posso não ser Montgomery Clift” estreia no Teatro Poeirinha

“Como Posso Não Ser Montgomery Clift?”, com texto do premiado dramaturgo espanhol Alberto Conejero Lópezinédito no Brasil, e direção de Fernando Philbert, celebra os 40 anos de carreira de Gustavo Gasparani, que atuou em mais de 60 espetáculos, fundou uma das companhias de teatro mais importantes do país – a Cia dos Atoresescreveu e produziu musicais premiados, e recebeu 15 prêmios e 23 indicações, entre os mais importantes nas artes cênicas.

“É uma alegria poder comemorar os meus 40 anos de carreira em um espetáculo que  reflete sobre a condição do ator e, ainda, discute a homofobia na indústria do entretenimento”, diz Gustavo Gasparani.

A peça, que vem de duas bem-sucedidas temporadas, em São Paulo e no Rio, insere o espectador no universo particular do ator e ícone do cinema americano Montgomery Clift (1920-1966), dividido e fraturado entre o que esperavam dele e o que realmente era.
Um dos rostos mais belos de Hollywood, o galã Clift sofria por ser obrigado a esconder sua homossexualidade e atender aos anseios de seu público.

Como muitas estrelas de sua geração, acabou entregue ao álcool e às drogas na tentativa inútil de anestesiar seu sofrimento. A vida do astro foi marcada por um trágico divisor de águas: um acidente de carro que desfigurou seu rosto e lhe deixou sequelas que dificultaram seu trabalho no cinema.

“Se a dificuldade em lidar com a voracidade da fama, e com a própria sexualidade, criou um ambiente nocivo e tóxico em relação à profissão levando o personagem ao abismo, é a paixão por essa mesma profissão que o faz emergir de suas profundezas e continuar. Quantos homossexuais vivem esse paradoxo? Quantos se escondem para vencer na profissão? Se a trágica vida de Montgomery Clift puder fomentar a discussão sobre este tema e suscitar reflexão, teremos cumprido a nossa missão.”, conclui Gasparani.

Escrita a partir de fatos reais da vida do ator, o premiado texto do espanhol Alberto Conejero López, traduzido para o português por Fernando Yamamoto, apresenta o olhar ora lúcido, ora alucinado de Clift, a quem restou resgatar do naufrágio de sua existência seu bem mais preciso: o ofício de ator.

Gustavo em cena

SINOPSE

A peça se passa no momento em que, exausto do assédio e pressão dos meios de comunicação e da indústria cinematográfica, Clift decide abandonar o cinema para voltar ao teatro e realizar o sonho de montar “A Gaivota”, de Tchekov.
Monty, como era conhecido na intimidade, enfrenta as sequelas do acidente de carro que desfigurou seu rosto, além dos conflitos com a sua homossexualidade, a conturbada vida familiar e as relações com os colegas de profissão.

“COMO POSSO NÃO SER MONTGOMERY CLIFT?”

NOVA TEMPORADA: a partir de 12 de maio
Em cartaz até 25 de junho

ONDE: Teatro Poeirinha – R. São João Batista, 104, Botafogo / RJ  

HORÁRIOS: sextas e sábados às 20h; domingo às 19h

INGRESSOS: R$60 e R$30,00 (meia)
VENDAS ONLINE PELO SYMPLA: https://bileto.sympla.com.br/event/82311/d/191706/s/1293290

BILHETERIA: 6ª a domingo, 1h antes das apresentações
DURAÇÃO: 70 min / CLASSIFICAÇÃO: 16 anos
GÊNERO: monólogo / CAPACIDADE: 50 espectadores

Leia Mais
“A última entrevista de Marília Gabriela” chega ao Rio em agosto