Zezé Polessa é ‘NARA’, solo inédito com direção de Miguel Falabella

Nara Leão (1942-1989) é um nome incontornável para se entender a música, a cultura e a sociedade brasileira dos anos 60, 70 e 80. Suas atitudes pioneiras e revolucionárias se refletem em um repertório absolutamente singular e marcam uma trajetória que reverbera mesmo após três décadas e meia de sua partida. ‘Nara’, montagem que estreia dia 29 de fevereiro no Teatro Firjan Sesi Centro, é fruto do arrebatamento causado pela cantora em Zeze Polessaque partilha o desejo de revivê-la nos palcos tendo ao seu lado, na autoria e direção do espetáculo, o amigo Miguel Falabella, parceiro em uma série de projetos teatrais desde 1979.

Zezé Polessa cresceu ouvindo e acompanhando a carreira de Nara através dos discos e os muitos sucessos tocados nas rádios. Durante a pandemia, ela começou a ler uma biografia da cantora e – a partir de então – enfileirou uma série de entrevistas e livros sobre o período, quando, intuitivamente, começou ali a fazer uma pesquisa daquela que seria a sua próxima personagem.

Ao falar sobre a vontade de interpretar Nara, em uma conversa informal com Miguel Falabella, ele na mesma hora avisou que criaria o texto do espetáculo e, após uma semana juntos, ainda no período pandêmico, a primeira versão da obra começava a ganhar forma.

Momentos e canções

No espetáculo, Nara aparece como se estivesse vindo de algum lugar do futuro – ou do passado – para compartilhar com o público algumas lembranças e reflexões. Através de um grande fluxo de consciência, o texto relembra momentos e canções da cantora sem preocupação com cronologias, datas ou qualquer outra formalidade, bem no estilo Nara, uma intérprete que sempre foi ‘fora da caixa’, quando esta expressão nem era tão usada assim.

‘Logo no início, ela mesmo diz que está de volta graças ao privilégio do teatro. Quando eu tive vontade de fazer a Nara, falei com Miguel que sabia não ter mais a idade dela, mas ele logo disse que isso não tinha a menor importância. Eu não procuro imitar o seu jeito de falar ou cantar, existe uma liberdade em todo este processo, não poderia ser diferente com alguém que sempre foi tão livre’, reflete Zezé, que interpreta ao vivo alguns dos muitos sucessos da intérprete, como ‘A Banda’, ‘Corcovado’, ‘Marcha da Quarta-feira de Cinzas’, entre outros.

FICHA TÉCNICA

NARA”, com Zezé Polessa

de Miguel Falabella
direção musical, arranjos e produção musical: Josimar Carneiro
direção assistente e direção de movimento: Marina Salomon
cenografia: Dina Salem Levy
desenho de luz: Ricardo Vivian e Sarah Salgado

desenho de som: Arthur Ferreira
figurino: Nathalia Duran
visagismo: Marcelo Dias
preparação vocal: Mariana Baltar

operação de luz: Luana Della Crist
operação de som e microfonista: João Gabriel Mattos
assistência de cenografia: Alice Cruz
cenotécnico: Rodrigo Shalako
contrarregras: Nivaldo Vieira e Rahira Coelho
camareira: Maninha Xica

assessoria de comunicação: Pedro Neves
comunicação digital: Bruna Paulin
concepção visual | projeto gráfico: Gringo Cardia
designer gráfico: Matheus Meira
fotógrafo: Flávio Colker
audiovisuais | comunicação digital: Gil Tuchtenhagen

Quintal Produções

direção de produção: Verônica Prates
coordenação de projetos: Valencia Losada
produção e administração: Letícia Vieira
produção executiva: Camila Camuso
assistência de produção: Ellen Miranda
Realização: Ministério da Cultura, Governo Federal
Patrocínio: Petrobras

Serviço:

NARA – Temporada: de 29 de fevereiro a 21 de abril

Quintas e sextas, 19h – sábados e domingos, 18h

Onde: Teatro Firjan SESI Centro – Endereço: Rua Graça Aranha, 01 – Centro

Classificação etária: livre / Duração: 80 minutos

Início das vendas na bilheteria do teatro: 15 de fevereiro
Horário de funcionamento da bilheteria: segunda a sexta, das 12h às 19h – sábados, domingos e feriados 2h antes do início do espetáculo. Telefone: 21. 2563 4163

Ingressos: plateia baixa – R$ 40,00 inteira e R$ 20,00 meia / plateia alta |ingressos populares – R$ 30,00 e R$ 15,00
Dias 28 de março e 07 de abril – sessões com intérprete de libras

Leia Mais
Mateus Solano estreia seu primeiro monologo, ‘O Figurante’