Capitã Marvel

Num momento onde o feminismo está em ebulição e as mulheres são protagonistas de suas próprias histórias,  era necessário apresentar e explicar de forma leve, divertida e única uma personagem totalmente nova para a maioria do grande público: a Capitã Marvel.
Os fãs precisam entender quem é Carol Danvers, como ela adquiriu seus poderes e como ela se tornou a personagem mais poderosa do MCU (Universo Compartilhado Marvel). O filme solo da ”Capitã Marvel” cumpre o que promete e prepara para ”Vingadores: Ultimato”, pois sabemos que a personagem será importante (lembram da cena pós-crédito de Guerra Infinita e do pager?). Brie Larson é a protagonista, em sua primeira grande chance depois de ganhar o Oscar por ”O quarto de Jack”. Também fazem parte do elenco Lashana Lynch, que interpreta Maria Rambeau, melhor amiga de Danvers, e a filha dela, a fofa Monica (Akira Akbar).  Já Annette Bening é Wendy Lawson, mentora de Carol.
O filme se passa nos anos 90 e constrói a história de Carol com flashbacks de seu passado. Junto com ela, que não se lembra de nada de sua vida na Terra, vamos descobrindo e preenchendo as lacunas de sua vida.  Piloto da Força Aérea dos Estados Unidos, ela adquiriu seus poderes ao ser salva da explosão de um maquinário kree pelo primeiro Capitão Marvel. Porém, a radiação atingiu seu corpo em nível celular e Carol se tornou uma híbrida genética kree/humana, adquirindo superforça, poder de vôo e um “sétimo sentido”. Quando chega ao planeta Terra, ela conhece Nick Fury (Samuel L. Jackson), e juntos embarcam numa jornada para deter os vilões da raça Kree.
O longa é bem explicadinho e segue uma linha completamente nova de um período nunca visitado da história do Universo Cinematográfico da Marvel, mostrando como como Carol se tornou a heroína mais poderosa do MCU. Brie Larson e Samuel L. Jackson têm uma naturalidade e uma troca sem igual. É um deleite ver os dois em cena.
 Brie é linda, divertida e carismática. Quem acompanhou a atriz nas redes sociais, sabe o quanto ela se dedicou nos treinos para ganhar força e construir a personagem. O filme tem trilha sonora composta por super hits dos anos 90 (Salt-N-Pepa,  Garbage, TLC, Des’ree, Nirvana) e vários detalhes bem pensados – destaque para a camiseta da banda ”Nine Inch Nails” que a protagonista veste, numa vibe bem roqueira.
A direção é da dupla Anna Boden e seu parceiro Ryan Fleck.
Cotação: Muito bom

Leia Mais
Crítica: #blackAF [1ª temporada]