Festival do Rio 2018 anuncia suas atrações

Em novembro o Rio de Janeiro será o que ele merece continuar a ser: a capital mundial do melhor do cinema. O Festival do Rio vai exibir 200 filmes de mais de 60 países em cerca de 20 locais de exibição da cidade, receber profissionais do audiovisual para seminários e workshops, realizar debates, reunir música, cinema e muito mais.

De 1 a 11 de novembro, o público vai ter a oportunidade de conferir os filmes mais comentados, descobrir raridades, votar no melhor da Première Brasil, participar de debates, sessões especiais com a presença de personalidades do cinema mundial e palestras e oficinas gratuitas no RioMarket

Serão exibidos novos trabalhos de diretores consagrados e premiados nos maiores festivais do mundo, como Lars Von Trier (A Casa que Jack Construiu, com Uma Thurman), Gus Van Sant (A Pé Ele não Vai Longe, com Joaquin Phoenix),  Jean-Luc Godard (Imagem e Palavra), Spike Lee (Infiltrado na Klan), Olivier Assayas (Vidas Duplas, com Juliette Binoche), Pablo Trapero (A Quietude), Pawel Pawlikowski (Guerra Fria), Dominga Sotomayor (Tarde para MorrerJovem), Teresa Villaverde (O Termômetro de Galileu), Julius Avery (Operação Overlord) e Steve McQueen (Viúvas, com Viola Davis, Colin Farrel – Filme de Abertura), entre outros. 

Na seleção, destaca-se também uma nova versão de Imagine, de John Lennon e Yoko Ono; o documentário Kusama – Infinito de Heather Lenz (conhecida como a ‘artista das bolinhas’ e considerada um ícone da arte pop japonesa); Ferrante Fever, de Giacomo Durzi – sobre a enigmática escritora italiana Elena Ferrante; Não me Toque, de Adina Pintilie – Urso de Ouro em Berlim;  Assunto de Família, de Hirokazu Koreeda – Palma de Ouro em Cannes; Em Chamas, de Lee Chang-dong, baseado no conto Queimar Celeiros, do escritor japonês Haruki Murakami. Vencedor do prêmio da crítica no Festival de Cannes de 2018.  

As sessões de gala da Première Brasil acontecem no Estação NET Gávea, Estação NET Botafogo e no Centro Cultural LSR – Odeon NET/CLARO. As já tradicionais sessões populares seguidas de conversas do público com realizadores e atores/atrizes dos filmes acontecem no Centro Cultural LSR Cine Odeon NET/CLARO e Estação NET Rio. O circuito completo será divulgado posteriormente.

CONCERTO DANÇANTE E EVENTO SECRETO

Além dos filmes, debates e oficinas, o Festival programou dois eventos especiais, reunindo cinema e música:

– Dia 3 de novembro, um verdadeiro “Concerto Dançante”em homenagem aos filmes dos anos 70 e 80 acontece noTeatro Rival Petrobras: A Orquestra Petrobras Sinfônica vai apresentar versões orquestradas de músicas das trilhas sonoras dos longas-metragens “Grease”, “Dirty Dancing”, “ Os Embalos de Sábado à Noite” e “Xanadu”. 

– Desde o ano passado o Festival do Rio e a gravadora Biscoito Fino estão de mãos dadas para fazer do maior evento de cinema do Rio um palco ampliado de arte e cultura.

Este ano esta pequena grande parceria se ampliou e se conectou também com o SOFAR SOUNDS Rio de Janeiro. Essa trinca transformou este encontro musical dentro do Festival do Rio em algo ainda mais inusitado, respeitando o formato que a SOFAR Sounds já adota no mundo todo. Será um dia de evento secreto, no período que durar o Festival, em lugar inusitado, reunindo participantes para apresentações ao vivo de artistas independentes ou não.  Para mais informações:  http://www.sofarsounds.com

NOVA SEDE DO FESTIVAL DO RIO / RIOMARKET

CASA FIRJAN, em Botafogo, será a nova sede do Festival do Rio, onde acontecerão as atividades do RioMarket, setor de negócios para profissionais – e será também o ponto de encontro de debates, master classes e atividades paralelas abertas ao público e gratuitas.

MOSTRA ESPECIAL SESC

O Festival do Rio, com o apoio do SESC RIO, vai levar uma mostra especial de 6 filmes brasileiros à 4 unidades SESC (Nova Iguaçu, São Gonçalo, Tijuca e Madureira), todos com entrada franca, diversão garantida para todas as idades.

CONFIRA A LISTA COMPLETA:

MOSTRA PANORAMA

O mau exemplo de Cameron Post (The miseducation of Cameron Post), de Desiree Akhavan

– Colette (Colette), de Wash Westmoreland

– A pé ele não vai longe (Don’t worry, he won’t get far on foot), de Gus Van Sant

– Sem rastros (Leave No Trace), de Debra Granik

– Vida selvagem (Wildlife) de Paul Dano

– Fátima, de João Canijo

– Bisbee ’17 (Bisbee ’17), de Robert Greene

– O Termômetro de Galileu, de Teresa Villaverde

– Vision, de Naomi Kawase

– A Névoa Verde (The green fog), de Guy Maddin, Evan Johnson, Galen Johnson

– Grass (Grass) de Hong Sangsoo

– Utøya – 22 de julho (U – July 22), de Erik Poppe

– Não me toque (Touch me not) de Adina Pintilie

– 3 Days in Quiberon, de Emily Atef

– Imagem e palavra (The Image Book), de Jean-Luc Godard

– Asako I & II (Asako I & II), de Ryûsuke Hamaguchi

– Conquistar, amar e viver intensamente (Sorry Angel), de Christophe Honoré

– Amor até as cinzas (Ash Is Purest White) de Jia Zhangke

– Assunto de família (Shoplifters), de Hirokazu Koreeda

– Cafarnaum (Capernaum) de Nadine Labaki

– Em chamas (Burning), de Lee Chang-dong

– Infiltrado na Klan (BlacKkKlansman), de Spike Lee

– 3 faces (Three Faces) de Jafar Panahi

– Guerra Fria (Cold War) de Pawel Pawlikowski 

– Verão (Summer), de Kirill Serebrennikov

– Dez anos Tailândia (Ten Years Thailand), de Apichatpong Weerasethakul, Aditya Assarat, Chulayarnnon Siriphol, Wisit Sasanatieng

– O momento Plutão (The Pluto Moment), de Ming Zhang

– A casa que Jack construiu (The House that Jack Built), de Lars von Trier

– A prece (The prayer), de Cédric Kahn

– Praça pública (Place Publique), de Agnès Jaoui

– Amanda (Amanda), de Mikhaël Hers

– Memória da dor (Memoir of War), de Emmanuel Finkiel

– Maria Callas – em suas próprias palavras (Maria by Callas), de Tom Volf

– Raiva (Rage), de Sérgio Tréfaut

– A queda do império americano (The Fall of the American Empire), de Denys Arcand

– A cada momento (Each and every moment), de Nicolas Philibert

– Peterloo, de Mike Leigh

– White boy Rick  (White Boy Rick), de Yann Demange

– O favorito (The front runner), de Jason Reitman

– Se a rua Beale falasse (If Beale street could talk), de Barry Jenkins

– Vidas duplas (Double Lives), de Olivier Assayas

– No portal da eternidade  (At eternity’s gate), de Julian Schnabel

– A quietude (The Quietude), de Pablo Trapero

– El Pepe, uma vida suprema (El Pepe, una vida suprema), de Emir Kusturica

– Seu rosto (Your Face), de Tsai Ming-Liang

– Monrovia, Indiana (Monrovia, Indiana), de Frederick Wiseman

– O hotel às margens do rio (Hotel by the river), de Hong Sangsoo

– Túmulos sem nome (Graves Without a Name), de Rithy Panh

– Nunca deixe de lembrar (Never Look Away), de Florian Henckel von Donnersmarck

– A rota selvagem (Lean on Pete), de Andrew Haigh

– O ódio que você semeia (The hate u give), de George Tillman Jr.

– A vida em si (Life itself), de Dan Fogelman

– Vox Lux (Vox Lux), de Brady Corbet

– Tyrel (Tyrel), de  Sebastián Silva

– A excêntrica família de Gaspard (Gaspard at the Wedding), de Antony Cordier

– Eu sou Tempesta (I am Tempesta), de Daniele Luchetti

– O Caravaggio roubado (The Stolen Caravaggio), de Roberto Andò

– O que você irá fazer quando o mundo estiver em chamas (What You Gonna Do When the World’s on Fire?) de Roberto Minervini

– Meu próprio bem (My own good), de Pippo Mezzapesa

EXPECTATIVA 2018

– Tempo comum (Ordinary Time), de Susana Nobre

– Skate Kitchen (Skate kitchen), de Crystal Moselle

– Terra firme (Anchor and hope), de Carlos Marqués-Marcet

– Culpa (The guilty), de Gustav Möller

– O quebra-cabeça Puzzle, de Marc Turtletaub

– Um elefante sentado quieto (An elephant sitting still), de Hu Bo

– Adam (Adam), de Maria Solrun

– Longa jornada noite adentro (Long day’s journey into night) de Bi Gan

– Rafiki (Friends), de Wanuri Kahiu

– Carmen & Lola (Carmen and Lola), de Arantxa Echevarria

– O mundo á seus pés (The world is yours), de Romain Gavras

– A nossa espera (Our struggles), de Guillaume Senez

– Palace II – 3 Quartos com Vista para o Mar (Palace II) de Rafael Machado / Co-direção: Gabriel Corrêa e Castro

– Pedro e Inês, o amor não descansa (The dead queen) de António Ferreira

– A árvore (The tree) de André Gil Mata

– Shade – entre bruxas e heróis (The Witch Hunters), de Rasko Miljkovic

– Querido filho (Dear Son) de Mohamed Ben Attia

– Entre tempos (Ricordi?), de Valerio Mieli

– Yomeddine (Yomeddine) de A.B. Shawky

– A costureira de sonhos  (Sir) de Rohena Gera

– A última criança (Last Child), de Shin Dong-seok

– Longe da árvore (Far from the tree) de Rachel Dretzin

– Girl, de Lukas Dhont

PREMIÈRE LATINA

– Miriam mente (Miriam Lies), de Natalia Cabral, Oriol Estrada

– A Rainha do medo (The queen of fear), de Valeria Bertuccelli, Fabiana Tiscornia

– A cama (The bed), de Mónica Lairana

– Cinzas (Cenizas), de Juan Sebastian Jacome

– Virus Tropical (Virus tropical), de Santiago Caicedo

– O dia que resistia (The endless day), de Alessia Chiesa

– El motoarrebatador (The snatch thief), de Agustín Toscano

– Pássaros de verão (Birds of Passage), de Ciro Guerra, Cristina Gallego

– Minha obra prima (My masterpiece), de Gastón Duprat

– Happy hour – Verdades e consequências (Happy hour), de Eduardo Albergaria

– Tarde para morrer jovem (Too late to die young), de Dominga Sotomayor

– A Camareira (The chambermaid), de Lila Avilés

– Belmonte (Belmonte), de Federico Veiroj

– Acusada (The Accused), de Gonzalo Tobal

– Família submersa (A family submerged), de María Alché

– Vermelho sol (Rojo), de Benjamin Naishtat

– José (Jose), de Li Cheng

– Humanpersons (Humanpersons), de Frank Spano

– O amor não descansa (An unexpected love), de Juan Vera

– O anjo (The angel), de Luis Ortega

– Museu (Museum), de Alonso Ruizpalacios

– Compra me um revólver (Buy me a gun), de Julio Hernández Cordón

MIDNIGHT

– MATANGI / MAYA / M.I.A. (MATANGI / MAYA / M.I.A.), de Stephen Loveridge

– A geração da riqueza (Generation wealth), de Lauren Greenfield

– Três estranhos idênticos (Three identical strangers), de Tim Wardle

– Game girls (Game girls), de Alina Skrzeszewska

– Profile (Profile), de Timur Bekmambetov

– A Valsa de Waldheim (The Waldheim waltz), de Ruth Beckermann

– Futebol Infinito (Infinite Football), de Corneliu Porumboiu

– As filhas do fogo (The daughters of fire), de Albertina Carri

– Selvagem, de Camille Vidal-Naquet

– Faca no coração (Knife + heart), de Yann Gonzalez

– Morra, monstro, morra (Murder Me, Monster), de Alejandro Fadel

– Amazônia Groove, de Bruno Murtinho

– Operação Overlord (Overlord), de Julius Avery

– Imagine (Imagine), de John Lennon, Yoko Ono

– Buddies (Buddies), de Arthur J. Bressan Jr.

– The Cleaners (The cleaners), de Hans Block, Moritz Riesewieck

– Obscuro barroco  (Obscuro barroco), de Evangelia Kranioti 

– Alterscape, de Serge Levin

FILM DOC

– Hal Ashby (Hal), de Amy Scott
– Be natural: a historia não contada da primeira cineasta do mundo (Be natural: the untold story of Alice Guy-Blaché), de Pamela B. Green
– Os olhos de Orson Welles (The eyes of Orson Welles), de Mark Cousins
– Friedkin Uncut (Friedkin uncut), de Francesco Zippel

Leia Mais
‘Acossado’, de Godard, é homenageado no Festival Varilux de Cinema Francês