Selena Gomez: corte original de documentário tinha uma hora a mais

Selena Gomez concedeu mais detalhes de seu novo documentário para a revista Vanity Fair. Segundo a artista, esse é o projeto mais confessional de sua carreira até hoje e começou apenas como uma filmagem da turnê “Revival“.

O “Selena Gomez: My Mind & Me” apresenta um olhar inflexível sobre a jornada de saúde mental da estrela pop e será lançado pela Apple TV+ no dia 4 de novembro.

O filme foi dirigido por Alek Keshishian, conhecido pelo emblemático documentário “Na Cama Com Madonna“. Selena foi apresentada a ele durante a gravação do videoclipe “Hands to Myself” em 2015.
Eu assisti sete vezes. É uma verdadeira obra de arte. Isso não é apenas ‘aqui estou em turnê e estou passando por coisas’. Era um vislumbre da vida de alguém, e tinha respeito, amor e empatia, e nada era adocicado”, disse Selena sobre o filme da Rainha do pop. }
Ela continua: Eu sabia que se eu fosse fazer um documentário, eu queria que Alek o dirigisse”.

O diretor impôs uma condição para comandar o projeto: acesso ilimitado a vida de Selena. E assim foi feito. “Ela nunca quis entrar na sala de edição. Ela nunca microgerenciou nada sobre este filme”, declarou Keshishian à VF. Quando ele mostrou um corte original de duas horas e meia do filme, ambos concordaram que não seria a versão final.

Ela pediu aos financiadores e à Apple TV mais tempo para que o diretor finalizasse o projeto. Cerca de nove meses depois, Gomez assistiu à edição quase final e disse: “é o que precisa ser dito“.

Com a edição final de uma hora e trinta e cinco minutos, o diretor garante que tem material para fazer um filme com dez horas de duração, embora esse não fosse seu objetivo. O mote do documentário é a jornada da cantora em relação a sua saúde mental cujo os problemas eram pautados principalmente em eventos do seu passado.
Boa parte do filme aborda a vida de Selena antes do estrelato, alcançado em programas de TV como Barney e Os Feiticeiros de Waverly Place.

Leia Mais
Anya Taylor-Joy revela que sofreu bullying e largou a escola aos 16 anos