15 anos sem Billy Wilder

Billy Wilder foi um cineasta considerado um dos mais brilhantes e versáteis da história de Hollywood. Recordista de premiações, ele ganhou seis estatuetas do Oscar ao longo de sua carreira, que se estendeu por cerca de 50 anos. Ele se tornou roteirista na década de 20 em Berlim, mas fugiu da Alemanha por ser judeu no início da ascensão do partido nazista. Ele morou na França durante dez anos e depois se mudou para Hollywood, onde seu talento como roteirista e diretor foi reconhecido quase imediatamente.

Uma das indicações de Wilder ao Oscar foi por seu trabalho de direção no suspense “Testemunha de Acusação”. Inspirado em um livro da autora Agatha Christie, o filme acompanha um advogado que precisa defender seu cliente em um caso de assassinato – o problema é que o julgamento sofre reviravoltas surpreendentes com frequência. Além da indicação de Wilder, o longa também foi indicado em outras cinco categorias, incluindo Melhor Filme, Melhor Ator (Charles Laughton) e Melhor Atriz Coadjuvante (Elsa Lanchester).

Wilder também dirigiu duas das comédias mais icônicas da história do cinema. Em “Quanto Mais Quente Melhor”, dois músicos entram em desespero quando testemunham uma chacina perpetuada por membros da máfia. Como não querem ser executados por saberem demais, eles se vestem de mulher e se juntam à Sugar (Marilyn Monroe) em uma banda formada exclusivamente por mulheres. A comédia é considerada até hoje uma das melhores já produzidas, e garantiu a Wilder outra indicação às estatuetas de Melhor Direção e Roteiro.

Já em “Se Meu Apartamento Falasse”, Bud (Jack Lemmon) trabalha em uma companhia de seguros em Nova York e está em busca de uma maneira mais rápida de ser promovido. Ele decide emprestar seu apartamento para que os executivos da empresa possam se encontrar com suas amantes lá. Mas tudo muda quando ele se apaixona por Fran (Shirley MacLaine), a amante de seu chefe. A comédia teve dez indicações ao Oscar e venceu cinco delas, incluindo Melhor Filme, Melhor Direção e Melhor Roteiro Original.

Billy Wilder também foi responsável pelos filmes ”Crepúsculo dos deuses”, ”Inferno nº 17” e ”Sabrina”. Ele morreu de complicações de pneumonia, aos 95 anos, na Califórnia.

Assista à “Testemunha de Acusação”, “Quanto Mais Quente Melhor” e “Se Meu Apartamento Falasse” no especial 15 Anos Sem Billy Wilder, neste domingo (26), a partir das 17h30, no Telecine Cult.

 

via

Editora-chefe do site e bacharel em Estudos de Mídia pela UFF, produz conteúdo para web desde 2012. Curiosa e apaixonada por cinema, escreve aqui em sua ''Coluna Clichê'' sobre os filmes que assiste no cinema e na TV. Também colabora com o blog de design e inspirações CuteDrop.

  • Image
  • Image