As memórias da Princesa Leia

A princesa Leia ficou com Han Solo, e os amassos não se restringiram ao set de filmagem —nem a simples amassos. O romance de Carrie Fisher e Harrison Ford em “Star Wars” foi revelado pela atriz em seu recente “Memórias da Princesa: os Diários de Carrie Fisher” BestSeller, 224 págs.) e causou furor entre fãs da série.

Ela, uma adolescente de 19 anos recém-saída da escola de atores, e ele, um reservado galã de 33 anos, casado havia mais de uma década. Segundo o relato, a faísca acender durante a festa de aniversário de 32 anos do cineasta George Lucas, em maio de 1976.

Harrison, desconfiado dos colegas da equipe, havia intercedido quando alguns deles tentaram levar a jovem, que havia feito apenas um filme o esquecível “Shampoo”, para uma espécie de batismo de calouros.

Começara ali um romance estranho, intenso e de poucas palavras, que curou cerca de três meses. Em tom de desabafo, Carrie destrincha esse período no livro, resgatando também o diário que mantinha na época.

Mas o relato traz outras boas histórias. A atriz, filha de um cantor e de uma estrela de Hollywood, dá detalhes de bastidores e de como conseguiu entrar em uma das franquias mais famosas do cinema. Ela lembra, por exemplo, que precisou emagrecer cinco quilos para o papel o que não conseguiu , que detestava usar seu icônico e “horrível” penteado e que, para atuar, ganhou apenas o piso da categoria, assim como vários de seus colegas. E que também fumava maconha para relaxar.

Leia abaixo seis trechos reveladores do livro.

Reprodução

Feia? 

“Eu tinha incontáveis problemas com minha aparência em ‘Star Wars’. Verdadeiros, não aqueles que você revela para que as pessoas pensem que você é humilde enquanto você secretamente se acha adorável. O que eu via no espelho não era aparentemente o que os garotos viam. Se eu soubesse a quantidade de masturbação que iria provocar… Bom, isso seria extraordinariamente esquisito de vários ângulos, e fico feliz que o assunto não tenha surgido.
Mas quando homens, desde cinquentões até… bom, jovens demais para o conforto da idade permitida pela lei, quando homens me abordam para dizer que eu fui o primeiro amor deles, digamos que eu tenha sentimentos confusos.

Reprodução

Teve de emagrecer em spa

“Ganhei o papel com a condição desanimadora de perder cinco quilos, então para mim a experiência foi menos ‘Legal! Consegui um trabalho!’ e mais ‘Consegui um trabalho e machuquei um tornozelo’. Então fui para uma clínica de emagrecimento. Com o coração pesado e o rosto mais pesado ainda, deixei a clínica uma semana depois que entrei (…)
Quando começamos a filmar, tentei me manter discreta, para que os chefões não notassem que eu não tinha perdido o peso que deveria. Eu só pesava 50 kg, para começo de conversa, mas carregava metade deles no rosto [em alusão às suas bochechas].”

Reprodução

Como era feito o penteado icônico

“Por que me pediam para chegar [aos estúdios em Borehamwood, ao norte de Londres] naquele horário ingrato [às 5h]? (…) Sim, o horrendo e ridículo penteado de Leia! Dois apliques eram praticamente soldados dos dois lados da minha cabeça. Chegando tão cedo, eu inevitavelmente dormia na cadeira de maquiagem, uma garota simples, com o cabelo úmido e desarrumado, caindo pouco abaixo do ombro de qualquer camiseta pouco atraente que eu estivesse usando no dia, e acordava milagrosamente duas horas depois transformada de ‘Quem raios é essa aí’ na magnífica e poderosa Princesa Leia Organa, que antes era de Alderaan e agora é de onde raios quiser.”

Getty Images/Reprodução

Na cama com Han Solo

“Uma pequena parte de mim sentia que tinha ganhado na loteria dos homens, que estava ao mesmo tempo contando e gastando o prêmio. Nossa pele concordava. Nós arriscamos a sorte: primeiro a dele, depois a minha e então a nossa até termos passado pela pior das situações e nada mais fosse possível, exceto chegar ao fim um do outro, por dentro e através um do outro, até alcançar facilmente o outro lado. (…) Depois da nossa afável provação, Harrison dormiu e eu fingi fazer o mesmo. Deus, ele era lindo… Eu o perdoei por não me amar da forma que geralmente se espera e quase me perdoei por não esperar que ele o fizesse. Tentei acompanhá-lo na terra dos sonhos, e, ao ver que não conseguia, respirei com ele ali no escuro, imaginando o que Harrison estaria sonhando e esperando que, se conseguisse dormir, eu acordasse antes dele.”

Reprodução

Cachê modesto

“Eu preferia que Harrison ficasse em meu apartamento pois, como era emprestado de um amigo, era melhor que o dele (…) Todos nós recebemos o piso da categoria no primeiro filme, que era de cerca de 500 libras por semana. Por mais que eu venha de uma família rica (embora essa riqueza tenha se reduzido recentemente) e pudesse ter bancado o aluguel de acomodações melhores se não tivesse conseguido o apartamento de Riggs, Harrison tinha esposa e dois filhos em casa e, para sustentá-los, morava na acomodação mais modesta que o estúdio pôde fornecer. Então, quando se tratava de escolher onde iríamos dormir, a escolha ficava rapidamente bem óbvia.”

Getty Images

Fumando maconha …de Harrison Ford

“Apesar de haver especulações sobre meu consumo de drogas durante ‘Star Wars’, não usei nada além de maconha de Harrison nos finais de semana durante aquele primeiro filme. Depois disso, não consegui mais fumar maconha. Ela tinha um efeito tão potente e devastador em mim que nunca mais usei essa droga de novo (…) Como posso descrever para você a imagem desse intervalo de três meses no clima desértico da falta de sentimento? Infelizmente, não posso (…)
É a perda de memória que vem do consumo de maconha (…) Foi a ingestão de três meses da notória maconha de Harrison. É isso que rouba toda e qualquer lembrança vívida e esmagada sob seu calcanhar de fumaça.”

 

via

Editora-chefe do site e bacharel em Estudos de Mídia pela UFF, produz conteúdo para web desde 2012. Curiosa e apaixonada por cinema, escreve aqui em sua ''Coluna Clichê'' sobre os filmes que assiste no cinema e na TV. Também colabora com o blog ''CuteDrop''.

  • Image
  • Image