CM+ | simples e completo //

Tag Archives: fofo

image Jogada certa

Romance tem Queen Latifah no elenco

image Dou-lhes um ano

Nossa crítica sobre a comédia inglesa

image Jacob Tremblay entrou no elenco de “Predador”

Ator fez sucesso em ”O quarto de Jack”

image Paris-Manhattan

Comédia francesa merece sua atenção. Confira nossa crítica

image 20 anos + jovem

Confira nosso texto sobre a comédia francesa

image Será que?

O que você faria se o amor da sua vida já estivesse namorando outra pessoa?

Confira 5 pôsters de “Divertida Mente”, nova animação da Pixar

inside-out-poster-anger-549x900

inside-out-poster-disgust-549x900

inside-out-poster-fear-549x900

inside-out-poster-joy-549x900

inside-out-poster-sadness-549x900

A Pixar divulgou cinco novos pôsteres ilustrando Alegria, Tristeza, Raiva, Nojo e Medo, os personagens da animação Divertida Mente (Inside Out), dirigida e escrita por Peter Docter (Monstros S.A. e Up! – Altas Aventuras).

O filme nos leva à mente da garotinha Riley, que sai de sua vida no interior quando seu pai consegue um trabalho em São Francisco, Califórnia. Como todos nós, Riley é guiada por suas emoções – Alegria (Amy Poehler), Medo (Bill Hader), Raiva (Lewis Black), Nojo (Mindy Kaling) e Tristeza (Phyllis Smith). As emoções moram na Sede, o centro de controle dentro da mente de Riley, onde eles a ajudam no seu dia. À medida que Riley e suas emoções têm dificuldades para se ajustar a nova vida em São Francisco, uma turbulência acontece na Sede.

Mesmo que Alegria, a principal e mais importante das emoções de Riley, tente manter tudo bem, as emoções entram em conflito sobre como navegar na nova cidade, casa e escola. Divertida Mente estreia no Brasil em 2 de julho de 2015.

Veja aqui o pôster nacional de “Cinderela”, o novo filme da Disney

CINDERELLA_PAYOFF_BRAZIL-600x881

 

O pôster acima foi divulgado pela Disney ontem, dia 19/11, junto com o trailer.
Uma madrasta malvada, duas irmãs invejosas, uma fada madrinha, um príncipe e um sapatinho de cristal. É lógico que você já conhece essa história de cor: é Cinderela, claro! A novidade é que, 65 anos depois de a Disney ter retratado em animação o Conto de Fadas, dessa vez a história será encenada por atores reais com muitos efeitos especiais.
No papel da madrasta pervesa está Cate Blanchett e no de fada madrinha, a veterana Helena Bonham Carter. O papel principal, de gata borralheira, ficou para a atriz Lily James, da série Downton Abbey.

Primeiros pôsteres de “Warcraft” revelam armas da Horda e da Aliança
Warcraft será uma adaptação dos dois primeiros games da franquia World of Warcraft, lançados na década de 90: Warcraft: Orcs & Humans e Warcraft II: Tides of Darkness. O longa só chegará aos cinemas em 11 de março de 2016, mas a Legendary Pictures já liberou os primeiros pôsteres do filme.
 
Tudo indica que Warcraft será focado em Khadgar, o conselheiro do senado de Kirin Tor. O roteiro é de Charles Leavitt (Diamante de Sangue), enquanto a direção será de Duncan Jones (Contra o Tempo, Lunar).
 
O elenco já conta com Dominic Cooper, Travis Fimmel, Toby Kebbell, Paula Patton, Ben Foster, Rob Kazinsky, Clancy Brown e Daniel Wu.
 Warcraft é uma produção da Legendary em parceria com a Blizzard Entertainment, dona da franquia no universo dos games.
 
Abaixo, confira os primeiros pôsteres. Horda ou Aliança? Escolha o seu lado. 
warcraftp1
warcraftp3
Diretor explica por que alguns parceiros de Tim Maia não aparecem no filme

babu-santana-vive-tim-maia-na-biografia-do-cantor-dirigida-por-mauro-lima-1414615146426_956x500

 

A cinebiografia “Tim Maia”, que estreou há uma semana, em 30 de outubro, assim como o personagem que retrata, começa a causar polêmica. Isso porque alguns amigos e parceiros do cantor que foram ignorados no filme têm feito críticas a ele. Segundo o diretor do longa, Mauro Lima, no entanto, a chiadeira era prevista. “Tem um pouco a ver com o recorte que decidi quando escrevi o roteiro”, diz o cineasta.

Em entrevista ao UOL, ele explica por que muitas pessoas importantes na vida do músico não entraram no longa. Entre os motivos, Mauro Lima cita direitos autorais e do uso de imagem até a decisão dele de não mostrar quem eram as pessoas que usavam drogas junto com Tim. 

“Contei [a história] pela ótica de um amigo próximo que constava na biografia feita pelo Nelsinho”, explica Mauro Lima, citando o livro “Vale Tudo”, da editora Objetiva, escrito por Nelson Motta. O “amigo próximo” a quem o diretor se refere é cantor paraguaio Fábio, que é citado na obra de Motta e também escreveu um livro sobre Tim: “Até Parece que Foi Sonho – Meus Trinta Anos de Amizade e Trabalho com Tim Maia”. 

“Isso não significa que o Tim não teve outros amigos na vida, tão ou mais importantes do que os que cito”, argumenta. Parte da bronca veio do cantor baiano Hyldon, um dos grandes nomes do soul brasileiro, autor da famosa “Na Rua, na Chuva, na Fazenda”, que embalou muitos romances, desde a década de 1970.

Amigo e parceiro de longa data de Tim Maia, o músico, que não aparece no longa, fez algumas reclamações sobre o filme. “Hyldon me contou coisas muito legais, algumas dariam um filme por si só”, diz Lima, argumentando que o caminho e o recorte da história do cantor proposto pelo produtor do longa, Rodrigo Abreu Teixeira, foi outro. “Ele comprou [os direitos de] a biografia do Nelsinho, que é o que havia de mais completo [sobre a vida de Tim Maia].”

O diretor ainda conta que, durante a pesquisa adicional que fez sobre a vida do músico, deparou-se com uma caixa cheia de coisas. Entre elas estava o livro escrito por Fábio. Isso o fez decidir contar a história do “soulman” pela ótica do artista paraguaio. “Achei que a história tinha que ser contada por um amigo próximo, uma testemunha ocular que estava na saúde e na doença, tipo dentro do quarto do hotel.”

De acordo com Lima, se houvesse um livro escrito por Hyldon ou por Cassiano, outro parceiro importante na carreira de Tim Maia, ele “poderia ter tido outra ideia”. O diretor argumenta que achou melhor excluir esses músicos do filme do que citá-los de maneira rasa. “Não me agrada colocar no filme um carinha passando lá atrás dizendo ‘Fala aí, Cassiano…’, só pra justificar”, resume.

Outra justificativa do diretor para não ter citado alguns nomes no filme são as cenas de uso de droga. “Não vou ficar entregando neguinho com quem o Tim circulava ou tocava. Tem cena de um cheirando, outro aplicando, tomando ácido, fazendo merda, prefiro que o Tim tenha guitarrista, baterista, amigo e tal do que ficar dando nome aos bois”, completa.

Alguns personagens, entretanto, foram parar na lista de excluídos por outra razão, diz o diretor. “Teve gente que não quis estar no filme, não liberaram a imagem.”

Sem citar nomes, ele fala sobre um caso que, segundo ele, também causaria polêmica. “Um cara me pediu R$ 100 mil só pela parte dele na autoria de uma música [que aparece no filme], imagine direitos de uso de imagem…”, conta Lima, completando que esse não foi o único imbróglio que precisou enfrentar em relação a direitos autorais. “Quem não está no filme não tem ideia do que acontece. A pessoa acha que só o Roberto dificulta as coisas… E o Roberto nem dificultou”, desabafa, o diretor, referindo-se aos trechos do longa que mostram o cantor Roberto Carlos.

Por fim, Lima conclui dizendo que seu filme não é um documento definitivo sobre Tim Maia. “Pode se fazer uns 15 filmes com a vida dele. Eu fiz um.”

 

 

via